quinta-feira, junho 15, 2017

Post 6265 Desafio de escrita 4/10 Um olhar


Viu-o pelo canto do olho, enquanto esperava pelo autocarro. Nesse preciso momento também ele resolveu olhar para ela. Viram-se e viram-se a olhar um para o outro. Ana desviou o olhar, fez questão de não voltar a olhar para ele, tentou parecer distraída, alheada do que a rodeava.
Pedro pensou que ela era gira, que queria ir ter com ela, conhecê-la, mas nada lhe ocorria para início de conversa. Talvez fingir que estava também na fila e queixar-se do tempo de espera. Só que nesse instante chegou o autocarro. Ia perdê-la. Ana subiu para o autocarro. Pedro nem pensou, subiu também.
Lá dentro, ela conseguiu um lugar sentado, ficou virada para a janela. Entretanto ele agarrava-se à vara no alto, lutava para manter o equilibro e para encontrar algo que dizer. A senhora ao lado de Ana levantou-se. Pedro pensou que seria a a sua oportunidade, mas uma senhora baixinha, com uma barriga redondinha foi mais rápida. Estará grávida? Melhor não indagar e deixá-la com o lugar.
Poderia falar no tempo, perguntar-lhe se não se tinham visto antes. Não tinham, ele tinha a certeza.
Ana levantou-se para dar o seu lugar a outra senhora, esta tinha que estar grávida e talvez de gémeos.
Iria ter agora a sua oportunidade? Pensou interpelá-la com “Não és amiga do Pedro?” Quando ela negasse, responder-lhe-ia “eu sou o Pedro e gostaria que fossemos amigos” mas percebeu então que ela ia sair.
Ana saiu e ele seguiu-a. Ainda vai pensar que sou um perseguidor. Espera aí, até estou a sê-lo.
Ana entrou numa livraria. Estava a olhar para os livros em destaque. Pedro dirigiu-se para ela, parou ao seu lado, ia falar, mas ela falou primeiro: “Conheces a Ana? Negou, e ela retorquiu-lhe a sorrir: “sou eu”.
E não é que eram mesmo almas gémeas?


8 comentários:

  1. Elas existem, não é mesmo?
    Um texto muito bom.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Bonito texto. Que bom haver encontros felizes.
    Beijinho
    Dolores

    ResponderEliminar
  3. Sabes que à medida que o tempo vai passando e vais escrevendo novas coisas, eu tenho-te notado uma acentuada evolução !?...
    Adorei esta breve passagem no autocarro, Gábi !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Rui!
      Fiquei feliz com o que disseste e é um grande incentivo para continuar
      um beijinho

      Eliminar
  4. Se bem que eu prefira histórias com finais enigmáticos e/ou em aberto, mas preferências tal como gostos não se discutem, pelo que resta-me constatar: _ "Um olhar", como toda uma história, com final feliz, em poucas palavras!

    A partir das pequenas, nascem as grandes histórias...

    Parabéns e a continuar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Victor Barão :)

      um beijinho

      Eliminar