quinta-feira, janeiro 19, 2017

Post 5999 - 299

E antes que algum desista, neste momento este blogue atingiu o incrível número de 299 seguidores!!!
Muito obrigada a todos os seguidores, mesmo àqueles que apenas possam ter passado por aqui uma única vez e nem sequer saibam ler português!

Seguidores (299) 
Anabela Jardim
Miss Smile
Laura Ferreira
conta corrente
Ana Freire
Ricardo António Alves
A Nossa Travessa
Alexandre Kovacs
sonia
Chiu! compotasecompanhia
julia ribeiro
Alquimista A.
ela a outra
Raphael Mourão
Γιάννης Πολιτόπουλος
Impontual Impontual
anaja schmitz
Atilio Capareto
Emília Pinto
"PoetaLuar."
Ava Pain

Post 5998 Livros 2017 (10) O Tempo dos Mortos de Pierre Gascar

O Tempo dos Mortos (Le Temps des Morts) de Pierre Gascar
Livros do Brasil, Colecção Miniatura, Nº 153

Image result for O Tempo dos Mortos de Pierre Gascar
"Na contracapa do livro que o antecede;
Pierre Gascar, prémio Goncourt 1953, é um dos maiores escritores franceses da actualidade. Prisioneiro de guerra durante cinco anos, intelectual activamente empenhado nas transformações da realidade de hoje, Pierre Gascar é, também, um romancista de guerra. Se outros testemunhos não houvesse do seu talento, bastaria este extraordinário romance para o colocar no primeiro plano das letras dos nossos dias."

Pierre Gascar
No site da Gallimard:
"Pierre Gascar, pseudonyme de Pierre Fournier, est né à Paris 
en 1916. Après avoir été détenu par les Allemands de 1940
 à 1945, il fit des débuts spectaculaires en 1953 en obtenant 
le prix Goncourt pour Le temps des morts, inspiré 
de son expérience des camps. Écrivain prolixe,
 il est l'auteur de nombreux romans, de recueils de n
ouvelles et d'ouvrages documentaires. Il décrit avec 
originalité le monde végétal et minéral, source de 
rêveries et de métaphores. Il reçoit en 1994 le prix 
Roger Caillois pour l'ensemble de son œuvre. 
Il est décédé en février 1997."

Pág. 58
"Privados de medicamentos, alguns médicos militares franceses enviados para Brodno por medidas de represália iam de enxerga em enxerga, estabeleciam diagnósticos sem efeito, reduzidos ao papel de testemunhas nesse universo sobrepovoado onde os pulsos batiam abandonados à sua louca cadência, onde de entrelaçavam livremente os arabescos dos delírios e onde os homens dobrados sobre si mesmos atingiam o limite da tosse."
Pág. 149
"Assustada pela selvageria desesperada dos meus movimentos, Maria libertou-se bruscamente, beijou-me nos lábios e fugiu. Por um instante tentei alcançá-la. Depois apoiei-me contra uma árvore. Um grande silêncio fizera-se à minha volta. Ao fim de uns momentos, limpei as lágrimas e voltei para os meus mortos."

Escreve imensamente bem sobre um tema difícil. Neste livro, como um diário, somos confrontados com uma realidade terrível. As personagens surgem-nos como pessoas reais e a morte está sempre presente a pairar sobre tudo e todos  (lembrou-me pelo tema o livro Feras Humanas de W. Langhoff e Georg Karst que li quando tinha doze anos).

Post 5997 - Desafio 1/10

Perdi a oportunidade de te conquistar? Perguntou-lhe ainda sentado no chão. Ela retorquiu logo: “nunca a tiveste”, mas os seus olhos sorriam e os cantos dos seus lábios também tentavam não se abrir num sorriso.
Ele tinha visto tudo como se em câmara lenta. A amiga séria e bonita da nova namorada do Francisco tinha entrado na sala trazendo um prato com bolos. Tropeçou na carpete, elegantemente manteve o equilíbrio, mas fugiu-lhe o prato. Ele estava demasiado longe mas mesmo assim mergulhou como se fosse defender um penalti. Ainda conseguiu agarrar o prato antes de ficar estendido do chão e apanhar com alguns bolos em cima.
Pouco depois estavam os dois no chão a procurar os bolos fugitivos e a rir, surpreendendo os namorados que vinham da cozinha.
O Francisco e a Magda a morarem juntos há pouco tempo, tinham tido a ideia de os convidarem para um jantar: ele, o melhor amigo do Francisco, e ela, Laura, a melhor amiga da Magda.
Foi um jantar estranho. O casal naufragava na lua-de-mel, descobriam que se tinham precipitado na decisão de partilhar casa, e parecia que embirravam um com o outro por tudo e por nada, enquanto eles começavam a falar sem precisarem de palavras. O encontro a quatro acabou cedo. Se não tivesse sido o episódio dos bolos, quando saíram, teriam ido talvez cada um para seu lado e nunca mais se encontrariam. Assim, mantiveram-se juntos e seguiram para um barzinho perto. Sobreviveram ao final da relação do ex-casal, quando cada um tomara o lado do respectivo amigo e ainda estavam juntos.
Graças a um tropeção e a uma queda conquistou a Laura. Quando pensara que perdia a pose, ao invés de perder, tinha ganho a sua oportunidade. 

quarta-feira, janeiro 18, 2017

Post 5996 Pela televisão

Começou ontem  nova série policial:

Image result for os mistérios de miss fisher
Na wikipédia:
"Os mistérios de Miss Fisher (original: Miss Fisher’s Murder Mysteries) é uma série de TV australiana que estreiou em 24 de fevereiro de 2012 pelo canal ABC1. A série é baseada nos romances da escritora australiana Kerry Greenwood, que publicou 18 livros da série The Phryne Fisher Murder Mystery Series, e é produzida por Deb Cox e Shelley Birse."


Image result for os mistérios de miss fisher

terça-feira, janeiro 17, 2017

Post 5995 Livros - Próximo livro oferecido com a Visão

Será O Apelo da Selva  de Jack London (adorei este livro, mas gostei ainda mais de Colmilhos Brancos).

Post 5994 Sábado, 14.1.17 Na Via Láctea - On The Milky Road


Na Via Láctea (On The Milky Road) de Emir Kusturika, com Monica Bellucci, Emir Kusturica, Sloboda Micalovic, Miki Manojilovic. Música de Stribor Kusturica. A vida e o amor durante a guerra. Gostei do filme. Algo como deves viver para que alguém lembre como era essa rapariga.
Image result for on the milky road


segunda-feira, janeiro 16, 2017

Post 5993 Colecção Miniatura - Livros do Brasil

Nº 9 A Lenda de Madala Grey de Clemence Dane   G
Nº 12 Vento Sobre As Searas de Eduardo Mallea G
Nº 13 Cidade dos Estranhos de Sherwood Anderson G
Nº 18 O Perfume das Ilhas Encantadas de René Boylesve G
Nº 19 O Céu é o meu Destino de Thornton Wilder   G
Nº 51 Os Mágicos de J.B. Priestley G
Nº 74 O Centauro de Deus G
Nº 84 Porgy E Bess de Du Bose Heyward G
Nº 106 Vento no Olival de Fortunato Seminara G
Nº 108 Um tiro na treva de David Garnett G
Nº 114 O Monstro Fascinante de Jean de La Varende G
Nº 119 O Vale de Deus de Carlo Coccioli G
Nº 121 Duas Boas Almas G
Nº 122 Uma Casa no Planalto de Erskine Caldwell G
Nº 124 O Amigo Joey de Hohn O' Hara   G
Nº 129 A Águia e o Cavalo de René Hardt G
Nº 142 O Comprador de Crianças de John Hersey G
Nº 146 Billy Budd de Herman Melville G
Nº 148 A Terra Prometida de Ernesto Contreras G
Nº 151 A Fusão das Neves de André Bay G
Nº 152 A Pequena Casa de Anna Banti G



Nº 9 A Lenda de Madala Grey de Clemence Dane   G
Nº 12 Vento Sobre As Searas de Eduardo Mallea G
Nº 13 Cidade dos Estranhos de Sherwood Anderson G
Nº 18 O Perfume das Ilhas Encantadas de René Boylesve G
Nº 19 O Céu é o meu Destino de Thornton Wilder   G
Nº 28 Appassionata G
Nº 51 Os Mágicos de J.B. Priestley G
Nº 58 A Mulher Raposa de David Garnett  G
Nº 67 O Baile do COnde de Orgel de Raymond Radiguet
Nº 71 O Ouro de Blaise Cendrars
Nº 72 A Tempestade de George Stewart
Nº 74 O Centauro de Deus G
Nº 78 Adeline Venician de André Chamson  G
Nº 84 Porgy E Bess de Du Bose Heyward G
Nº 87 Hiroshima de John Hersey
Nº 88 Um Drama na Sardenha de Paride Rombi
Nº 91 Um Homem no Jardim Zoológico de David Garnett  G
Nº 92 Hotel do Norte de Eugéne Dabit
Nº 93 Um Seixo Solitário de John Hersey
Nº 94 Desatino de Jean Cocteau
Nº 98 O País Inatingível de André D Hôtel
Nº 104 Clamor da Solidão de Georges Duhamel  G
Nº 105 Os Cardos do Baragan de Panaït Istrati
Nº 106 Vento no Olival de Fortunato Seminara G
Nº 108 Um tiro na treva de David Garnett G
Nº 111 Um Enterro Singular de Tibor Déry  G
Nº 112 Gente da Sicília de Elio Vittorini
Nº 114 O Monstro Fascinante de Jean de La Varende G
Nº 119 O Vale de Deus de Carlo Coccioli G
Nº 121 Duas Boas Almas G
Nº 122 Uma Casa no Planalto de Erskine Caldwell G
Nº 123 A Viajante de Gisèle Prassinos
Nº 124 O Amigo Joey de Hohn O' Hara   G
Nº 127 Um Macaco no Inverno de Antoine Blondin
Nº 129 A Águia e o Cavalo de René Hardt  G
Nº 131 Enterro na Cidade de Maria Teresa de Miroslav Krleza   G
Nº 139 A Casa Sem Alma de William Goyen   G
Nº 141 A Machadinha de Mihail Sadoveanu    G
Nº 142 O Comprador de Crianças de John Hersey G
Nº 145 As Falsas Esperanças de André Chamson  G
Nº 146 Billy Budd de Herman Melville G
Nº 148 A Terra Prometida de Ernesto Contreras G
Nº 149 Margarida da Noite de Pierre Mac Orlan
Nº 150 Às 21,13 de Felix Cucurull   G
Nº 151 A Fusão das Neves de André Bay G
Nº 152 A Pequena Casa de Anna Banti G
Nº 153 O Tempo dos Mortos de Pierre Gascar    G
Nº 160 Colomba de Prosper Mérimée




Post 5992 Fazer ginástica é muito perigoso

E dentro das boas intenções para o novo ano, decidi hoje que poderia começar a fazer alguns exercícios...no final do décimo de uma espécie de agachamentos fiquei com uma dor muscular nas pernas e parei. 
Tive então a grande ideia de procurar uns livros que estavam arrumados numa caixa. Ao mover as caixas, dei um mau jeito e fiquei com uma dor nas costas que teve a grande vantagem de levar a que a dor nas pernas praticamente tenha desaparecido. Uma sorte.
Conclusão, quando se tem algum tempo livre o melhor é ficar sentada a  ler um livro e a comer chocolate.

domingo, janeiro 15, 2017

Post 5991 Livros - Grande Notícia

Vai regressar a Colecção Miniatura da Livros do Brasil!
Dia 19 saem os três primeiros livros; "A Um Deus Desconhecido" de John Steinbeck "Soldados de Salamina" de Javier Cercas e "A Louca da Casa" de Rosa Montero

Miniatura

sábado, janeiro 14, 2017

Post 5990 Sexta-feira, 13.1.17 - Manchester by the Sea

Manchester by the Sea, de Kenneth Lonergan, com Casey Affleck, Michelle Williams, Kyle Chandler e Lucas Hedges (demasiado triste)
Image result for manchester by the sea




Lee Chandler um porteiro solitário e irritável em Boston regressa à sua cidade natal por o seu irmão Joe ter morrido e o ter nomeado tutor do filho Patrick.

Post 5989 Séries a não perder na televisão

Grantchester, baseada em The Grantchester Mysteries, uma série de livros de James Runcie.


Image result for série grantchester

quinta-feira, janeiro 12, 2017

Post 5988 Questão para quem possa ter visto o filme

Não fui ver o filme mas desde o início comecei a pensar que a existir um espião, em vez de ser ela, poderia ser ele. Será que quem já viu o filme poderia contar aqui como é que termina?
Image result for cinema Aliados


Post 5987 - Livros 2017 (9) Amor Cruel de Colleen Hoover

Amor Cruel de Colleen Hoover
Image result for Amor Cruel de Colleen Hoover

Na contracapa:
"Depois de se conhecer o lado cruel do amor, será possível viver um amor verdadeiro?
Tate é enfermeira e muda-se para São Francisco, para casa do irmão Corbin, para estudar e trabalhar. Miles é piloto-aviador e  mora no mesmo prédio de Corbin. Depois de se conhecerem de forma atribulada, Tate e Miles acabam por se aproximar e dar início a uma relação exclusivamente física, Para que esta relação exista, Miles impõe a Tate duas regras: "Não faças perguntas sobre o meu passado. Não esperes um futuro". 

Colleen Hoover Norte-americada, já atingiu o 1º lugar no top de vendas do New York Times e comoveu muitas leitoras com os seus onze livros publicados, incluindo Um Caso Perdido (Hopeless) e Uma Nova Esperança (Hope), publicados em Portugal pela Topseller. Os seus livros já foram traduzidos para cerca de 30 línguas.
Colleen cresceu numa quinta, no Texas, casou-se aos 20 anos e tirou uma licenciatura em Serviço Social. Trabalhou nos Serviços de Protecção a Crianças, antes de voltar aos estudos para concluir a sua formação em Educação Especial e Nutrição Infantil. Vive com o marido e os três filhos à beira de um lago no Texas. 
Amor Cruel foi o livro-sensação que catapultou a autora para recordes de vendas internacionais e que conquistou, inclusive o 4º lugar do Goodreads Choice Awards de 2014.

Post 5986 - Livros 2017 (8) O Regresso do Soldado de Rebecca West

O Regresso do Soldado de Rebecca West (título original The Return of the Soldier (1918)
Image result for O Regresso do Soldado de Rebecca West

Na contracapa:
"Em plena I Guerra Mundial um soldado regressa da linha da frente, com um trauma que lhe varreu a memória dos últimos quinze anos e encontra as mulheres do seu passado.
Uma delas é Kitty, a sua esposa, fria, elegante e bela.
Outra, a dedicada prima, Jenny, que nunca chega a admitir que está apaixonada por ele. A terceira é Margaret, o seu primeiro amor e que é agora uma mulher maltratada pela vida, de modos quase rudes e corpo pesado.
Lembra-se da prima como amiga de infância, não tem qualquer memória da esposa e está ligado à sua juvenil paixão por Margaret."

Cicely Isabel Fairfield nasceu em Londres em 1892. O seu pseudónimo, Rebecca West, teve origem na peça de Ibsen, Rosmersholm, que terá representado na adolescência. Os seus primeiros artigos surgiram em 1911, na revista The Freewoman.
Rebecca West escreveu romances, críticas, sátiras, biografias e livros de viagens e de história. As suas obras fccionais incluem O Rgresso do Soldado (1918), The Judge (1922), Harriet Hume (1929), The Harsh Voice (1956), The Thinking Reed (1936), The Fountain Overflows (1956), The Birds Fall Down (1966) e Sunflower (1986). Uma viagem à Jugoslávia nos anos 30 inspirou-lhe Black Lamb and Grey Falcon, publicado em 1941. Faleceu em 1983."
Há pelo menos um filme baseado neste filme, com o mesmo titulo, realizado por Alan Bridges.

Pág. 90
"Seguiu-me muito devagar escadas acima e ao longo do corredor, como uma criança a chapinhar à beira-mar; deleitou-se com a fofice da espessa passadeira sob os seus pés, passou o olhar pelos quadros nas paredes, chegando a estender um dedo para tocar num jarrão, como se com tal gesto tornasse mais sua a beleza do objecto. Era visível que o estado de Chris a preocupava tão profundamente como a mim, mas a sua confiança na vida era tal que lhe permitia a serenidade suficiente para apreciar toda a beleza com que se cruzasse durante essa espera." 

Spoiler:
Triste o desencontro no passado entre Chris e Margaret. Kitty será a personagem mais feliz porque mais vazia, a alegrar-se com o "regresso" do soldado, quando é forçado a relembrar os anos que passaram, e Jenny a mais trágica porque ama sem ser correspondida e sabe o que significa aquele regresso.

quarta-feira, janeiro 11, 2017

Post 5985 Cercada

Em local de trabalho, três colegas terão sucessivamente apanhado uma virose que os deixou muito enjoados e incapazes de comer. Em casa, três familiares com uma constipação ou gripe mais comum, que dá dores no corpo e de garganta.
Podendo escolher preferia não apanhar nenhuma, mas com a minha sorte ainda vou apanhar as duas...

terça-feira, janeiro 10, 2017

Post 5984 Livros 2017 (7) Um Drama na Sardenha de Paride Rombi

Um Drama na Sardenha de Paride Rombi (título original Perdu) - nº 88 da Colecção Miniatura, Livros do Brasil. Gostei muito deste livro. Pelo que consegui apurar terá sido o único romance escrito pelo seu autor. Está imensamente bem escrito e perdi-me na história do Perdu, da sua mãe, do avô, do pai que procurava, e da Madalena que acreditava ser sua meia-irmã.



"Paride Rombi (Calasetta6 settembre 1921 – Napoli18 agosto 1997) è stato uno scrittore e magistrato italiano conosciuto per il suo romanzo Perdu (ambientato nel Sulcis Iglesiente, in Sardegna, con cui vinse il Premio Grazia Deledda nel 1952."

"PARIDE ROMBI (Calasetta 1921-Napoli 1997) magistrato, dopo essere stato pretore a Iglesias si trasferì a Sondrio e poi a Roma, per lavorare all’Ufficio legale della Presidenza della Repubblica. Fu direttore dell’Ufficio studi del Quirinale all’epoca della presidenza di Saragat. Nel 1952 vinse la prima edizione del “Premio Grazia Deledda” con il romanzo Perdu, pubblicato da Mondadori l’anno dopo e poi tradotto in più di dieci lingue. È autore di racconti usciti su quotidiani e riviste, di traduzioni in campidanese (tra cui, nel 1983, quella dell’Antigone di Sofocle); di brevi saggi o reportage giornalistici sulla Sardegna. Tra i suoi inediti anche numerose poesie."
La storia di Perdu incomincia dal giorno in cui Angiuledda Vargiu, sua madre, andò sposa ad Efisio Manzella. Perdu, in quel giorno di metà maggio, aveva esattamente sette anni e mezzo.
La vita del bambino, prima di quel giorno, era stata priva di storia, simile, vale a dire, a quella di tanti altri bambini del Sulcis che, come polloni di lentischio spuntati all'insaputa di tutti nel bosco, conducono la loro ignorata esistenza in quel mondo ignorato. 
Angiuledda Vargiu, figlia di "tziu" Manueli Vargiu contadino delle terre del conte Salazar, aveva appena quindici anni ed era ancora nubile quando le nacque il bambino, cui ella, per devozione a San Pietro Apostolo, pose il nome di Perdu, che in sardo significa appunto Pietro.
Il bambino, fino all'età che si è detta, crebbe nella casa del nonno, gracile al pari di una canna di avena selvatica venuta su fra le rocce. La sua esistenza trascorse in un quasi totale abbandono. La mamma sempre lontano, a Iddarta o in altri paesi, a servire come domestica presso qualche famiglia, secondo un'abitudine difusissima fra le ragazze sulcitane. Si diceva anzi che fosse in una di queste lunghissime migrazioni fuori di Terreluxi che la ragazza avesse rimediato quella maternità; naturalmente lo si diceva d'arbitrio, senza nessuna sicurezza.

Na contracapa do livro que o precede:
"O jovem escritor italiano Paride Rombi ganhou o Prémio Deledda e a celebridade internacional com este romance regionalista, de um vigor e de uma verdade inexcedíveis. O primitivismo das populações rurais da Sardenha, os seus hábitos e as suas superstições sangrentas, são dados através da história triste de um rapazinho que não resiste à tragédia que pesa sobre a sua família. Romance de gente bárbara, contado com uma  puríssima delicadeza, eis uma obra-prima da moderna literatura italiana."

Pág. 143
"Compreendeu, ou pelo menos de qualquer modo intuiu, que os homens são sempre solidários mesmo que não sejam tão selvagens como o tio Manel Vargiu. Cada um pensa essencialmente em si e não se preocupa com o mal ou a dor que pode provocar nos outros com as próprias acções. Cada um tem presente sempre e principalmente o seu eu, mesmo que, aparentemente, esteja praticando uma boa acção.
Por tudo isto Perdu que, durante uns tempos, parecia querer bem instintivamente a toda a gente, pouco a pouco percebeu que o mundo nem sequer reparava na sua afeição, e do desconsolo desta constatação, como reacção natural, enraizou-se nele, gradualmente, uma profunda antipatia por tudo e por todos."

Post 5983 Livros

Consegui não entrar na Bertrand ontem e apesar de ter ido ao Continente e de terem lá uma mesa cheia de livros com 50% de desconto, resisti. Ainda não comprei nenhum livro este ano!

segunda-feira, janeiro 09, 2017

Post 5982 Livros 2017 (6) A Mulher-Raposa de David Garnett

A Mulher-Raposa de David Garnett

Image result for A Mulher-Raposa de David Garnett


A transformação de Mrs Tebrick em raposa. 
Não nos é explicado porque aconteceu e contraditoriamente parece ser tudo tratado e analisado com grande  normalidade quanto aos sentimentos e reacções que suscita.
Lembrou-me a Metamorfose de Kafka.

"Não são assim tão raros os acontecimentos maravilhosos e sobrenaturais; sucedem apenas de forma irregular. Pode haver um século sem prodígios de que se fale, para surgirem, quando menos se espera, em abundância: monstros de toda a espécie cobrem de súbito a terra, cometas iluminam os céus, eclipses aterram a Natureza, cai uma chuva de meteoros, enquanto as sereias e as ninfas tecem os seus enredos, as serpentes do mar engolem todos os barcos ao seu alcance, e terríveis cataclismos afligem a Humanidade. 
Mas o estranho caso que vou contar apareceu isolado num mundo hostil, sem apoio, sem nada de semelhante, e é esta, sem dúvida, a razão por que os homens, pouca atenção lhe deram. Porque a súbita mudança de Mrs. Tebrick em raposa é ponto assente que podemos tentar explicar como quisermos."

David Garnett (Brighton, 9.3.1892 - Ontcuq, França, 17.2.1981), escritor editor britânico, membro do grupo de Bloomsbury. Obteve reconhecimento literário quando o seu romance A Mulher-Raposa (lady in to Fox no original) foi agraciado em 1922 com o prémio James Tait Black Memorial de ficção.

Post 5981 Livros email recebido da Bertrand

Hoje é a segunda Segunda-feira do mês, logo descontos especiais na Bertrand
(e pelas Bertrand e Fnac temos também diferentes livros em saldo ou com preços mini).

domingo, janeiro 08, 2017

Post 5980 Livros 2017 (5) Adeline Venician de André Chamson

Adeline Venician de André Chamson
Image result for Adeline Venician de André Chamson




Muito bem escrito.  A Vida e a morte de Adeline Venician.
No site da Bertrand:
"Il y a trente ans, les "Cahiers Verts " publiaient Roux le Bandit, le premier roman d'André Chamson, et, deux ans après, Les Hommes de la route. C'est pour marquer cet anniversaire qu'Adeline Venician parait aujourd'hui dans la même collection. Dernier venu d'une oeuvre abondante et drue, traduite depuis longtemps dans presque toutes les langues du monde, ce récit poétique marque un renouvellement de l'oeuvre d'André Chamson, dans laquelle les personnages masculins - Roux le bandit, Combes et Audibert des Hommes de la route, Conseiller du Crime des justes Tabusse, ou le petit garçon du Chiffre de nos jours - ont toujours été les personnages de premier plan. Pour la première fois, dans cette oeuvre, tous les personnages principaux sont des femmes : une jeune fille, sa mère et sa servante. Les hommes ne sont ici que des personnages secondaires : M. Vénician, Payan, le mari de Maria, Adrien, son fils, et Pierre Dejean. Adeline Vénician est au centre de cette aventure, de cette histoire racontée à demi-voix, comme un poème dont le développement ressemble à celui d'une tragédie antique. Dans son jardin clos, comme les jardins d'Armide, au milieu des buis, des figuiers et des lauriers roses, une adolescente solitaire traverse la vie en se laissant dévorer par d'imaginaires amours. N'est-ce pas être folle que d'en venir à rêver à des noces sans époux ? Mais n'est-ce pas partager le sort de toutes les femmes que de garder cet amour, quand la mort de l'être aimé, tué à la guerre, a transformé en destin ces rêves de jeune fille ? - Elle a passé comme un ange sur cette terre ! diront ses amies. - Elle a plus vécu que n'importe quelle fille de son âge... Elle a plus vécu que ces filles qui ont des amants sans pouvoir les aimer d'amour, répondra Maria, servante fidèle, qui a connu tous les secrets d'Adeline."

André Chamson (6 June 1900 – 9 November 1983) was a French archivist, novelist and essayist. He was the father of the novelist Frédérique Hébrard 

"Quando adormecera? Que fizera depois de acabado o livro? Afastava essas perguntas vãs passando as mãos pelos olhos e corria a abrir a janela que dava para Nascente. Ao ranjer das portadas, pareciam escapar-se-lhe das mãos bandos de pardais que volteavam lançando gritos matinais por sobre os sabugueiros que se erguiam diante da casa. Ela seguia-os no céu e via-os mergulhar de novo, daí a pouco, nos ramos cheios de bagazinhas pretas. Parecia-lhe que as recordações haviam voado como os pássaros e que tinham, como eles, mergulhado de novo no abrigo de sombrios massiços que as tornavam invisíveis. E nada mais sabia destas horas nocturnas durante as quais se reencontrara, após ter contemplado uma estranha no fundo do espelho onde se reflectia agora o sol oblíquo da manhã. Esquecera os demónios nocturnos que, no entanto, só esperavam pelo regresso da noite, para voltar à sua presa." (pág. 54)